Colunistas

06/12/2016

O dilema da Grã-Bretanha com o Brexit - por Edgar Welzel, de Stuttgart, Alemanha

Decisão do Reino Unido em separar-se da União Europeia traria consequências danosas e pode nunca se concretizar. Primeira-ministra britânica Theresa May aferra-se ao conceito que se mostrou uma armadilha: “Brexit é Brexit”

Em junho passado, a po­pulação da Grã-Bre­ta­nha, após longo e acirrado debate decidiu, através de plebiscito, separar-se da União Europeia que, neste ano, completa 60 anos de existência. Durante seis décadas, jamais houve decisão semelhante; nunca um país membro nem mesmo cogitara separar-se da organização.

Ao contrário, muitos optaram por filiar-se, e da união inicial de 5 países fundadores resultou uma união política e econômica de 28 países. A decisão britânica é inédita e causou incompreensão tanto na própria Grã-Bretanha como no resto da Europa, sobretudo no centro do poder em Bruxelas.

A realização do plebiscito, proposto pelo então primeiro-ministro David Cameron, para terminar definitivamente com a infindável discussão sobre o descontentamento dos bri­­­tânicos com a UE, foi submetida e aprovada no parlamento em Londres.

Iniciada a campanha elementos antieuropeus da Grã-Bretanha desfraldaram a bandeira do populismo. Principais atores nesta trama ardilosa foram Nigel Farage, homem-chave do movimento, ex-presidente do partido UKIP (UK Independence Party), desde 1999 membro do Parlamento Europeu, e o burlesco Boris Johnson, ex-prefeito de Lon­dres. A proposta de Cameron, democrática e bem intencionada, acabou com um resultado inesperado: 51,9% a favor do Brexit e 48,1% contra.

David Cameron jogou alto e perdeu inclusive o cargo de primeiro-ministro; Nigel Farage reassumiu seu trabalho parlamentar no Parlamento Eu­ro­peu em Estrasburgo e Boris Johnson tornou-se ministro das Relações Ex­te­riores da Grã-Bretanha. Custa crer que um camaleão político, um antieuropeu como ele demonstrou ser, seja levado a sério no exigente e complicado palco político europeu em Bruxelas.

O plebiscito do Reino Unido deu margem a muita discussão, controvérsia e polêmica. Discutiu-se inclusive a pergunta se o plebiscíto continua sendo um instrumento democrático ideal em países com parlamentos já democraticamente eleitos. Discutiu-se a pergunta se um plebiscito, como no caso britânico, não seria supérfluo já que a questão poderia ter sido resolvida sem grandes alardes pelo próprio Parla­mento. Alertou-se sobre os perigos do plebiscito quando agitadores populistas, como bem demonstrou o caso britânico, conseguem sobrepor-se a políticos moderados, mais conscientes.

Theresa May, sucessora de David Cameron, atual primeira-ministra britânica, já antes da campanha posicionou-se claramente contra a separação da Grã-Bretanha da UE. No entanto está sendo criticada pelo fato de, durante a campanha, ter-se mantida demasiadamente reservada em relação ao assunto.

De fato, durante a campanha plebiscitária, May não se destacou com pronunciamentos significantes; manteve-se afastada das manifestações e dos palcos políticos. Conhecidos os resultados, respeitou-os com uma declaração curta e enfática: “Brexit é Brexit”. Deixou claro que o voto popular deverá ser respeitado e cumprido.

Enquanto isso passaram quatro meses. Aplacada a euforia separatista inicial, muitos “brexiteers”, os adeptos do Brexit, aos poucos estão acordando de uma quimera, livrando-se de um produto da imaginação, de uma fantasia, de uma utopia que lhes fora incutida. Conscientizam-se que caíram no conto da carochinha. Bem-vindos à realidade.

O plebiscito britânico tem características de uma tragifarsa. Nem o governo de Cameron, nem os “brexiteers” tinham um plano B. Os “brexiteers” Farage, Johnson e outros abandonaram o barco e deixaram a nova timoneira, Thereza May, a enfrentrar a tempestade. Segundo especialistas demorará, no mínimo, cinco anos para destrinchar o emaranhado de contratos, acordos, contas e demais compromissos que o governo britânico tem em reciprocidade com a UE. Trata-se do mais caro “divórcio” político e econômico da UE.

Thereza May terá um trabalho hercúleo que necessita de profundos e longos preparativos. É esta a razão pela qual a Grã-Bretenha até hoje não apresentou o pedido oficial de demissão à UE, documento formal exigido pelo Artigo 50 do Tratado de Lisboa. Segundo May, a entrega está sendo prevista para março ou abril de 2017. Só então poderão ser iniciadas as gestões oficiais. Na prática isto significa que o Brexit, a separação definitiva, poderia entrar em vigor em 2019 ou 2020 ou até mais tarde.

As parcas notícias de Londres levam a crer que o governo britânico encontra-se em apuros no que diz respeito aos preparativos das gestões com Bruxelas. Comentários à surdina em círculos londrinos revelam que, de momento, os participantes dos diálogos não estariam preparados para iniciar a tarefa.

Thereza May, logo que assumiu o governo, criou dois novos ministérios para tratar especificamente da separação junto aos órgãos competentes em Bruxelas. O Brexit Ministery, entregue ao ministro David Davis, até o momento nem sequer encontrou instalações para abrigar adequadamente seus auxiliares e Davis ainda nem conseguiu recrutar a metade dos 250 especialistas que precisa.

Em condições piores encontra-se o Ministério de Comércio Internacional, também especialmente criado, en­tre­gue ao mi­nis­tro Liam Fox. Também este novo ministério encontra-se em fase de organização e dos mil especialistas em comércio internacional que Liam Fox precisa para seu trabalho, até agora não conseguiu recrutar nem cem.

Os próprios ministros responsáveis, Davis e Fox, confirmam que eles nem mesmo têm as perguntas adequadas para formular no início das gestões em Bru­xelas. A situação é “caótica” cita no “Sunday Times” um cidadão com bons vínculos com o governo londrino.

Impressão semelhante têm os especialistas da UE que, em Bruxelas, melhor preparados, aguardam as gestões sobre o Brexit. Segundo o “Financial Times” os especialistas da UE declaram que “os britânicos vêm de Londres a Bruxelas sem saber o que afinal querem”.

Tony Blair, primeiro-ministro britânico de 1997 a 2007, interrompe seu silêncio e sugere novo plebiscito. “A decisão dos britânicos em junho passado em desmembrar-se da UE é uma catástrofe” disse o ex-primeiro-ministro Blair à BBC. “Quando se torna evidente o que realmente significa o desmembramento da UE, deveríamos dar ao povo a oportunidade para decidir mais uma vez através do Parlamento ou através de eleição ou possivelmente através de um novo plebiscito. dezesseis milhões de pessoas vo­taram a fa­vor da permanência na UE. Não devemos ignorá-las”, disse Blair.

Thereza May refuta categoricamente um segundo plebiscito e renova decididamente seu conhecido comentário: “Brexit é Brexit”.

De momento a decisão do Reino Unido em separar-se da UE é um livro aberto com um não conhecido número de páginas em branco. Nin­guém, nesta altura, sabe qual será o des­fecho do último capítulo. Não se pode excluir surpresas. O assunto tor­nar-se-á interessante quando a união do Reino Unido estiver em perigo.

Lembremos que a maioria da população da Escócia, da Irlanda do Norte e do País de Gales, nos quais historicamente sempre houve fortes tendências separatistas, votou contra o Brexit. Em um referendo popular de setembro de 2014 os escoceses decidiram permanecer ligados à Grã-Bretanha e, desta forma, serem membros da União Europeia.

A decisão britânica de separar-se da UE afeta a situação na Escócia, que reafirma seu interesse em permanecer na União Eu­ropeia. Nicola Sturgeon, a eficiente primeira-ministra da Escócia, já ameaçou com um novo referendo caso a Grã-Bretanha concretize a separaração da UE.

Em novo referendo na Escócia a maioria decidiria a favor da Europa, o que representaria a ruptura da Escócia com a Grã-Bretanha. A Irlanda do Norte e o País de Gales seguiriam o exemplo e da Grã-Bretanha pouco restaria. É o preço que a Grã-Bretanha teria a pagar pelo populismo que não soube frear.

Estamo-nos movendo num campo de conjeturas com certo grau de plausibilidade. Lem­bremos que existe o direito do Parlamento Britânico que pode aceitar ou refutar os resultados de um plebiscito. A sugestão de Tony Blair baseia-se neste fundamento. Thereza May, que tem a maioria no Parlamento, poderia acionar tal mecanismo se não estivesse ferrada ao seu “Brexit é Brexit”. Olvidá-lo significaria o fim de seu cargo e novas eleições na Grã-Bretanha com um novo primeiro-ministro não preso a um inabalável posicionamento.

A Grã-Bretanha está representada no Parlamento Europeu com 73 deputados. Pode-se admitir que nenhum terá interesse em perder o bem remunerado cargo. Até quando poderão permanecer lá? Até ao início ou ao fim das gestões? Há muitas questões não esclarecidas.

Influentes círculos londrinos, interessados em manter o atual status da Grã-Bretanha com a UE, estariam arquitetando planos para livrar-se da armadilha brexista de forma “elegante” e convincente. É, portanto, provável que o Brexit nunca chegará a concretizar-se. Esperemos o último capítulo.

 

Obs.: Matéria publicada também no jornal Opção, Edição 2157, de Goiânia, Goiás.

 

 



Comentários

deslogado
lami88 17/04/2017, às 05:12

Thank you for your post, There are good post! Developed the Common Rail fuel system for heavy duty vehicles and turned it into practical use on their ECD-U2 common-rail system.Modern common rail systems, whilst working on the same principle sensor are governed by an engine control unit (ECU). The design was acquired by the German Common Rail Shim & Gasket kit company Robert Bosch GmbH for completion of development and refinement for mass-production Common Rail Nozzle . In hindsight,As the new technology proved to be highly profitable. The Common Rail Injector Valve had little choice but to sell, however,In 1997 they extended its use for passenger cars

deslogado
fake rolex watches 22/03/2017, às 22:44

Watches can also improve a person's grade. Just like a small fry favorite with the rolex replica gold chain, and successful people like to wear watches. Good watches exquisite workmanship, elegant appearance, can display the charm of women and men. Watch is also a symbol of rolex replica personal identity, the men look at the table, women look at the package, it is clear that this truth. A small piece of hublot replica fine watches a few thousand dollars, more than 10000 yuan, able to bring expensive watches are usually very successful in the work of people.

deslogado
fake rolex watches 22/03/2017, às 22:43

Watches can also improve a person's grade. Just like a small fry favorite with the rolex replica gold chain, and successful people like to wear watches. Good watches exquisite workmanship, elegant appearance, can display the charm of women and men. Watch is also a symbol of rolex replica personal identity, the men look at the table, women look at the package, it is clear that this truth. A small piece of hublot replica fine watches a few thousand dollars, more than 10000 yuan, able to bring expensive watches are usually very successful in the work of people.

deslogado
Loren 14/01/2017, às 00:43

Most days, I feel like I am either way dressed up or way dressed down, and I don't absolutely accept an accustomed style. It's accurate if humans say you accept to get hermes replica dressed every day so you ability as able-bodied adore it. That's my ambition at the moment.So I've been authoritative one of those abstruse pin boards alleged "outfits to try" and bushing it with apparel that attending beautiful on added humans that would MAYBE attending beautiful www.cheapray-banstore.com on me. Just aggravating to aggrandize my abundance zone, you know. I assumption I'm just ashore in a rut a little. But I'm aflame to focus added on my appearance this year and see if I can about-face it from something that's a little demanding into something that's absolutely fun.


  • brasilalemanha
  • brasilalemanha
  • brasilalemanha
  • brasilalemanha
Logomarca oficial da imigração alemã no Brasil. Reprodução liberada e recomendada, para uso não comercial.
Para uso comercial e originais em alta resolução: contato@brasilalemanha.com.br.

© 2004-2021 BrasilAlemanha - O portal oficial da imigração alemã no Brasil - Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Sapiência Tecnologia

Publicidade