Reflexões dezembrinas – por Lissi Bender*

*Lissi Bender, pesquisadora, escritora – lissi.bender@gmail.com

Originalmente o velho testamento da bíblia havia sido escrito em hebraico e o novo em grego. Durante o século IV havia sido traduzido para o latim. Até o advento da Reforma luterana a palavra Divina permanecia em latim e sob o domínio do clero que a pregava neste idioma. Martin Luther defendia a presença da bíblia em todos os lares cristãos. Tomado por esta ideia, pensou numa forma de alcançar a Sagrada Escritura às pessoas menos formadas, sem conhecimento de grego e latim. Assim, em 1521/22, em apenas quatro meses, traduziu o novo testamento para o alemão. Na sequência, o antigo testamento. A propósito, a língua alemã se desenvolveu a partir da linguagem dos antigos povos germânicos. Dos diferentes dialetos foi se desenvolvendo a língua alemã padrão e, para isto contribuiu a bíblia traduzida por Martin Luther. Ainda hoje a Alemanha continua rica em dialetos. A bíblia traduzida se difundiu muito rapidamente, graças ao invento da prensa de tipos metálicos móveis, por Gutenberg, e ao interesse pela Sagrada Escritura por parte do povo. Estima-se que já em 1533 havia, pelo menos, uma bíblia em cada dez famílias.

Antes de falecer Martin Luther ainda fez uma última revisão. A edição revisada foi editada em 1546. Foi esta versão, atualizada pelo reformador, que os imigrantes alemães trouxeram consigo para Santa Cruz. Aliás, a Sagrada Escritura foi o livro que veio em maior número com eles. Isto também se deve ao fato de grande parte dos imigrantes saberem ler. A propósito, ter frequentado escola foi um dos requisitos observados por Peter Kleudgen (agente enviado a terras germânicas, para divulgar Santa Cruz), quando fez a seleção de alemães para virem à Kolonie. Na pesquisa de mestrado realizada por Staub, na Ufrgs, lê-se que Kleudgen tinha um minucioso cuidado na seleção de alemães que admitia na lista de imigrantes para Sta. Cruz. Entre outros itens, cuidava para que fossem pessoas sem antecedentes criminais e que tivessem frequentado escola.

 Uma versão original, da tradução de Martin Luther esteve presente no culto ecumênico, em celebração dos 172 anos da imigração. O Andacht foi um dos eventos mais singelos e maravilhosamente conduzido pelo padre Dario e pelo pastor Jurandir. Suas sensíveis palavras foram coroadas por cantos em idioma alemão do coral Santo Afonso e pelos sons do violino de Luís Eduardo Kaufmann. O coral, acompanhado do violino entoou o canto ecumênico mais conhecido no mundo cristão – Groβer Gott, wie groβ bist Du/ Grande Deus, quão grandioso és Tu. Na sua origem se tratava de uma oração em língua latina que Martin Luther traduziu nos idos de 1500 para o idioma alemão. Mais tarde o texto foi transformado em canto. Também a Ode an die Freude/Ode à Alegria – do grande clássico da música alemã, Beethoven, ao som do violino de Kaufmann – preencheu a igreja e os corações dos presentes, deixando em todos uma semente de alegria e gratidão pela celebração e pelos empenhos para promover e honrar o legado cultural dos imigrantes.

A bíblia, presente no culto em celebração à Imigração Alemã, está impregnada de uma história muito peculiar. Vinda da Alemanha, (editada em 1912, na versão original de Martin Luther) fazia parte do acervo de uma família santa-cruzense. Certo dia a casa sofreu incêndio. Foram acionados os bombeiros que debelaram o fogo. No meio dos escombros o sargento militar Adilson Fernando Kärcher encontrou a Sagrada Escritura intacta. Quando a foi entregar aos donos da casa, estes lhe a deram de presente.

Sabendo de meu apreço por livros e, principalmente, por livros antigos escritos em alemão, Kärcher a confiou a mim e lhe sou muito grata por isso. Com as mensagens de fé presentes na Sagrada Escritura desejo a todos um novo ano abençoado por tranquilidade e saúde, com amor e alegria em gratidão pela maravilhosa graça recebida – a vida.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *