Os pomeranos e o movimento getulista – por Ivan Seibel

até porque o parco conhecimento do idioma português continuava restringindo o contato destes “colonos” com a população urbana de língua essencialmente portuguesa.
 
Excetuando a “meia dúzia” de filhos de imigrantes que terminaram sendo incorporados às tropas legalistas, poucos chegaram a se inteirar das razões de toda a movimentação dentro dos quartéis.

Pelos próprios relatos dos que participaram deste movimento militar e que hoje ainda são lembrados pelos seus familiares depreende-se que muitas vezes sequer entendiam as razões pelas quais ali estavam. Havia um sentimento de que apenas teriam que disparar suas armas contra outros brasileiros que também falavam a mesma língua.

É mais uma prova de que nem sempre os movimentos revolucionários seguem a lógica do sentimento pátrio.

*Ivan Seibel, Reg. Prof. Mtb 14.557, natural do Espírito Santo, é médico em Venâncio Aires, RS, escritor (“Imigrantes a duras penas”, entre outros), comentarista do programa radiofônico semanal AHAI – A Hora Alemã Intercomunitária > bl 03, colunista www.brasilalemanha.com.br e editor de Folha Pomerana Express >
Acessse o Informativo >>> https://folhapomeranaexpress.blogspot.com.br/

 

*Ivan Seibel, Reg. Prof. Mtb 14.557, natural do Espírito Santo, é médico em Venâncio Aires, RS, escritor (“Imigrantes a duras penas”, entre outros), comentarista do programa radiofônico semanal AHAI – A Hora Alemã Intercomunitária > bl 03, colunista www.brasilalemanha.com.br e editor de Folha Pomerana Express >
Acessse o Informativo >>>
https://folhapomeranaexpress.blogspot.com.br/

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *