Famílias numerosas sem planejamento – por Ivan Seibel*

AHAI  996

 

Alô  ouvintes.
 

Os primeiros imigrantes tiveram um grande número de filhos. Mas, afinal, era problema ou solução? Seguramente o principal fator a pressionar pela procura por novas terras foi o rápido crescimento populacional. O fato de os primeiros imigrantes terem tido tantos filhos também pode ser atribuído ao total desconhecimento de métodos de controle da natalidade.
 

Por outro lado, também chegou em benefício à crescente necessidade de mão-de-obra. Isto porque, já com oito ou nove anos de idade, as crianças passavam a ajudar no trabalho da propriedade. Na época uma grande família tinha de dez a doze filhos.  “Dai hara doch sou fäl Kinna, as dai Herrgott schenka dei”. ou seja, a idéia era de que as coisas aconteciam segundo a vontade de Deus. Praticamente todas as famílias eram muito grandes. Alguns casais  chegaram a ter dezoito ou mais filhos.

Disto facilmente se depreende que a terra que eles receberam na chegada logo foi se tornando pequena, na medida em que o grupo familiar foi aumentando. Por outro lado, nas famílias com até quinze ou dezoito filhos, também era perfeitamente compreensível que nem todos sobrevivessem. Como não faziam qualquer controle da natalidade diziam que a “Deus cabe planejar…”
 

Por hoje seria isto.
 

Seu  Ivan Seibel

*Ivan Seibel, natural do Espírito Santo, é médico em Venâncio Aires, RS, escritor (“Imigrantes a duras penas”, entre outros), comentarista do programa radiofônico semanal AHAI e colunista www.brasilalemanha.com.br

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.