A ida à praia no início do Século XX

Fotos Divulgação

Família von Hohendorff na praia gaúcha de Tramandaí – década de 1920

O jornalista e escritor Felipe Kuhn Braun lança, em abril, seu sexto livro: Tramandahy: as idas à praia no início do século XX. A obra retrata os hábitos culturais e costumes dos descendentes de alemães que iam ao litoral gaúcho no início do século XX. Na época, poucas praias haviam sido desbravadas, uma delas era a atual praia de Tramandaí. O processo de “colonização” dessa praia teve início em 1898, quando Eneas Sperb, um hoteleiro de São Leopoldo, decidiu inaugurar um novo empreendimento na pequena vila de pescadores, que também era utilizada como balneário.


O resgate de uma tradição que evoluiu ao longo dos últimos 90 anos

Felipe Braun  descreve, passo a passo, como era a viagem até a praia, as acomodações do Hotel Sperb e os anos iniciais de ocupação. Revela que ir do Vale dos Sinos ao litoral, no começo do século XX, levava três dias e meio de viagem sobre uma carreta de bois, numa estrada em péssimas condições. "Era uma verdadeira aventura", observa.

Em seu livro, Braun lembra que as acomodações fornecidas pela rede hoteleira eram simples nos primeiros 30 anos de ocupação da região, e praticamente não havia casas particulares. Mesmo essas, quando surgiram na década de 1920, eram modestas, pois as idas à praia não eram tão constantes e prolongadas como atualmente. Igualmente a ida para os banhos de mar e as diversões da época, eram muito diferentes dos dias de hoje.


O carro era utilizado pels famílias de posses

 

O autor relata que todo esse passado, cada vez mais distante, dificultaram a realização do trabalho, pois são raras as pessoas que ainda tem algumas informações a relatar. A maioria, com idade bastante avançada. Felizmente, na época do surgimento de Tramandaí, a fotografia no Rio Grande do Sul “andava a passos largos” e hoje, um século depois dos primeiros registros, elas se mantêm perfeitas, e servem como fonte para conhecermos passa a passo, a “Tramandahy” do início do século.

Desaparecidas as construções e os personagens da época, sobrevivem através da imagem, as memórias dos pioneiros e o seu modo de vida, em uma sociedade muito diferente da que vivemos hoje. Além dos históricos coletados através de entrevistas, mais de uma centena de fotografias ilustram o projeto


O sonhado banho de mar – no flagrante da época, inscrições em alemão gótico

Resultado de nove anos de pesquisas do autor, entre as famílias do Vale dos Sinos e da Região Metropolitana.

E assim Braun dividiu o tema nos principais assuntos: o Hotel Sperb, a ida ao litoral, o bonde de Tramandaí, os banhos de mar, as construções de casas de veraneio e as diversões daquela época. O objetivo é passar aos leitores, o retrato (tanto escrito quanto iconográfico) mais fiel possível daquela “Tramandahy” que encantava os seus frequentadores no início do século XX.

O livro Tramandahy: as idas à praia no início do século XX será lançado no dia 15 de abril, segunda-feira, às 20h, na Fundação Schäffel, em Novo Hamburgo. É uma publicação da editora Oikos e tem 125 páginas. Felipe Braun é formado em Jornalismo pela Feevale e faz pós-graduação em História  na Unisinos.

Vítor Bley de Moraes
Jornalista (reg. prof. 5495)
Cel.: (51) 9116-4119                                          Felipe Braun: Cel.: (51) 9971-1456

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *