“Trabalho, Cooperação e Fé” é o tema da 28ª Oktoberfest e Feirasul

Santa Cruz do Sul (RS) – Na tarde desta quarta-feira, 18, a Diretoria de Cultura e Folclore da 28ª Oktoberfest e Feirasul – que acontecem de 10 a 21 de outubro – anunciou o tema da festa deste ano: “Trabalho, cooperação e fé”. A exemplo de anos anteriores, o tema vai nortear as atrações da Festa da Alegria, como os desfiles de carros alegóricos, o Espaço Cultural, os concursos junto à comunidade, além de outras ações de divulgação. “Na comemoração da 28ª Oktoberfest celebramos a fé do imigrante, a força do seu trabalho e a cooperação que fez nossa comunidade prosperar e ter alto grau de desenvolvimento econômico”, relata a diretora de Cultura e Folclore da festa, Maria Luiza Rauber Schuster.

Foto Francisco Frantz

 

Tema será inspiração para desfiles de carros alegóricos

Para o presidente da 28ª Oktoberfest e Feirasul, Ênio Ernesto Wermuth, a temática proposta resgata uma parte importante da história dos imigrantes alemães, que contribuíram para o desenvolvimento local e regional. “A cada ano a festa busca um novo enfoque dentro da história da imigração como forma de homenagear os colonizadores e a sua contribuição para o município”, enfatiza. Já o presidente da Associação de Entidades Empresariais (Assemp), Fábio Costa de Borba, acredita que o tema fortalece o evento junto à comunidade. “E mesmo sendo parte da história, são elementos que ainda estão presentes no nosso cotidiano”, salienta.

Conforme o professor Nestor Raschen, que auxiliou no trabalho de pesquisa sobre o tema, os três enfoques escolhidos sintetizam características marcantes do período da imigração. “Sabemos que a trajetória dos imigrantes exigiu grande esforço e dedicação, pois vieram morar no Brasil em busca de melhores condições de vida, já que a Europa passava por uma crise econômica no século 19”, destaca. Neste contexto, os ofícios trazidos por eles – ferreiro, sapateiro, marceneiro, carpinteiro, professor, lenhador, mestre cervejeiro, alfaiate, entre outras – foram determinantes para suprir as necessidades locais, bem como para impulsionar o comércio e a indústria em Santa Cruz do Sul. “Não esquecendo também do trabalho da dona de casa, que cuidava da produção doméstica, com o aproveitamento dos produtos da propriedade”, ressalta Raschen.

A união de esforços dos imigrantes como forma de vencer os desafios de desbravadores é marcada pela cooperação. “A ajuda entre os vizinhos era mútua, seja na colheita, no fabrico da linguiça, em construções e outras atividades. Todo este esforço em conjunto fez as comunidades teuto-brasileiras prosperarem”, frisa Maria Luiza. Esta união, conforme os pesquisadores, também foi fundamental para a formação das sociedades, que necessitavam cultivar amizades e costumes, bem como resgatar seus valores. Desta forma, nasceram várias sociedades de canto, de tiro, de lanceiros, de bolão, de leituras, onde o importante era a convivência e a troca de ideias e experiências. Já a religiosidade era um grande valor cultivado nas famílias imigrantes, que diariamente faziam suas orações e a leitura da Bíblia, bem como se reuniam nos fins de semana para rezar. “Nas horas difíceis, a fé em Deus fortalecia os imigrantes na nova terra”, completa ela.

Fonte: Assessoria de Imprensa da 28ª Oktoberfest e Feirasul

FOUR Comunicação (51) 3715-5961/3056-4404

18 de abril de 2012

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *