Colunistas

07/03/2015

Ponto de vista: Fui eleitor da Dilma - por Ivar Hartmann*

Na outra eleição, levado pela propaganda enganosa do Lula de que Dilma era uma grande gerente, votei nela. Parecia melhor que o Serra, cuja antipatia assombra.

A história de que ela tinha sido guerrilheira, longe de diminuí-la, somava. Afinal, foi presa, processada e não matara ninguém. Há diferenças fundamentais entre o guerrilheiro e o terrorista. Leiam o livro que escrevi a respeito. E tem aquela história rocambolesca, dela e companheiros, que furtaram o cofre de um dos primeiros políticos que roubaram por atacado, Ademar de Barros, vigarista que foi governador de São Paulo. Passou o tempo e o seu filho seguiu os passos do pai. Daí o perigo destes filhos de políticos que resolvem seguir a carreira do pai, como Sarney e Renan. Voltando. Fui eleitor de Dilma. Como sou eleitor confesso, sirvo agora de galhofa para os amigos. Que aproveitam todas as oportunidades. Votei (ao contrário dos que se escondem) e reconheço que errei. Santo Deus! Como errei! A mulher é pior que o padrinho!

Impressiona o volume de notícias ruins que começam no Palácio do Planalto. Uma usina de estupidez! Não há dia que não surja fato novo. Se o Brasil fosse um bloco de carnaval (será que não é?), afora ser a madrinha da escola dos corruptos, é a porta bandeira dos incompetentes e desfila no carro alegórico dos sujos. É a maestra da batucada dos desonestos e comanda a bateria dos malfeitores nacionais. Tinha que aparecer magra depois do Carnaval. Tantos setores desta vida carnavalesca que vivemos dependem dela.

O Roberto Carlos tinha uma musiquinha que falava de um gato morador de favela e que era caçado para usarem sua pele como tamborim. O refrão era: “Eu sou o negro gato!” Bom para o gato saber que gatos mais gordos mudaram-se para Brasília ou espraiaram-se (como dizia o Olívio Dutra) para órgãos públicos de todo o país. Somos o país do samba. Que serve para divertimento da massa inculta e culta. Guiné Bissau no Sambódromo nacional. Brasil/Guiné Bissau e seus brejeiros governantes. Brasil que aceita ser espoliado pelo Imposto de Renda, furtado por senadores e deputados, ludibriado pelos políticos em geral e roubado quando as grandes empresas nacionais (PETROBRAS e BNDES) são usadas para suprir as necessidades econômicas dos afilhados da dupla de passistas Lula e Dilma, sem dúvida, maiores expressões momescas do País do Carnaval.

ivarhartmann@hotmail.com

*Ivar Hartmann é promotor público aposentado e colunista do Jornal NH do Grupo Sinos de Novo Hamburgo, RS



Comentários

deslogado
zop 27/04/2017, às 22:48

Although the mother left, but swiss replica watches she will always live in my heart, I always miss her, she is replica watches my only, no one to replace, but also my favorite, it is unforgettable love!I can not remember my aunt in the replica watches uk mother when the sick is how to hold me, or carrying me, I do not know, from the little aunt memories of the past, I know someone else's cold, cold Helpless ...


  • brasilalemanha
  • brasilalemanha
  • brasilalemanha
  • brasilalemanha
Logomarca oficial da imigração alemã no Brasil. Reprodução liberada e recomendada, para uso não comercial.
Para uso comercial e originais em alta resolução: contato@brasilalemanha.com.br.

© 2004-2019 BrasilAlemanha - O portal oficial da imigração alemã no Brasil - Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Sapiência Tecnologia

Publicidade