Colunistas

10/06/2013

Os 155 anos da imigração alemã para Juiz de Fora - por Nilo Sérgio Franck*

Bom dia. Segue matéria sobre os 155 anos da Imigração Germânica para Juiz de Fora. São dados aparentemente simples, mas muito significativos no resgate de uma história que aos olhos de muitos parece negativa, mas que foi coroada de sacrificios, desafios e muitos êxitos também. Somos felizes por sermos descendentes de um grupo de pessoas que mudaram a história da cidade de Juiz de Fora. Temos muito ainda a pesquisar e conhecer, mas já temos condições de afirmar que, apesar de muito sacrificio e trabalho, a imigração germânica teve muitos êxitos e colaborou decisivamente para o processo de industrialização da cidade chamada, no iinício do século XX, de "a Manchester Mineira".

O texto é baseado no livro OS ALEMÃES E O BORBOLETA DE VICENTE CLEMENTE (CLEMENS),lançado em 2008 durante o VI ENCONTRO DAS COMUNIDADES ALEMÃS DA AMÉRICA LATINA, realizado aqui em Juiz de Fora, no período de 03 a 05 de setembro de 2008.  Ass. Nilo Sérgio Franck.

* * * * *

Neste 12  de junho  de 2013 comemoramos os 155 anos da imigração germânica para Juiz de Fora, cidade situada no Sudeste de Minas Gerais, a 185 km do Rio de Janeiro. A data está afixada no Marco do Centenário da Imigração Alemã para Juiz de Fora, erigido no Bairro Borboleta, na Praça do Imigrante. Os imigrantes alemães vieram para instalar a Colônia D Pedro II, criada por Mariano Procópio Ferreira Lage.  Através da Companhia União e Indústria, Ferreira Lage construía a estrada de rodagem do mesmo nome, ligando a cidade do Paraibuna (hoje Juiz de Fora) a Petrópolis, a primeira do Brasil. Em 1856, quando do início dos trabalhos de construção, cerca de 150 imigrantes já tinham chegado ao Brasil e todos foram empregados na companhia, com a missão de trabalharem na construção da Estrada. A imigração de 1858 veio para instalar a Colônia, cujo objetivo era a formação de uma colônia agrícola. Nossos antepassados chegaram em cinco veleiros, cujos detalhes citamos, a seguir:

Primeiro embarque – Barca Tell – saindo do porto de Hamburgo, no dia 21 de abril de 1858, chegando ao porto do Rio de Janeiro em 25 de maio do mesmo ano, trazendo 236 passageiros e com um total de 34 dias de viagem.

Segundo embarque – Barca Rhein – saindo do porto de Hamburgo, no dia 28 de abril de 1858, chegando ao porto do Rio de Janeiro em 25 de junho de 1858 com 184 passageiros e com um total de 59 dias de viagem.

Terceiro embarque – Barca Gundela – saindo do porto de Hamburgo, no dia 15 de maio de 1858, chegando ao porto do Rio de Janeiro em 26 de julho de 1858, com 287 passageiros e com um total de 70 dias de viagem.

Quarto embarque – Barca Gessner – saindo do porto de Hamburgo, no dia 21 de maio de 1858 e chegando ao porto do Rio de Janeiro em 29 de julho de 1858 com 249 passageiros e com um total de 68 dias de viagem.

Quinto embarque – Barca Osnabruck – saindo do porto de Hamburgo, no dia 05 de junho de 1858 e chegando ao porto do Rio de Janeiro em 04 de agosto de 1858 com 217 passageiros e com um total de 59 dias de viagem.

As informações acima estão contidas no livro “ Os Alemães e o Borboleta” de Vicente Clemente (Clemens), que registra também mais quatro veleiros trazendo imigrantes para a Colônia D Pedro II e que chegaram nos meses seguintes:

1.Barca Caeser – 04 passageiros;  2. Barca Erbpsinz Friedrich August – 07 passageiros; 3. Barca Brigadeiro Antílope – 03 passageiros; 4. Barca Elise – 06 passageiros.

Nossos antepassados vieram de várias regiões a saber: Baden, Bayern, Chemnitz, ChurHessen, Dinamarca, Grão Ducado de Hessen, Hannover, Holstein, Hessen Darmstadt, Lausitz, Mecklenburg, Pomerânia, Prússia, Schleswig, Sachsen, Tirol, Würtemberg.

Este livro tem um capítulo intitulado Correspondências  dos Colonos, onde aparece uma Carta Publicada no jornal “Bothe für Tirol und Vorarlberg, de Innsbruck (Tirol do Norte) no dia 23 de dezembro de 1858. A carta foi escrita pelo colono Alois Eiterer, de Miemning, distrito de Imst-Tirol em 01 de novembro de 1858, ele que chegou ao Brasil com 27 anos de idade, juntamente com sua esposa Kreszenz,23 anos no dia 26 de julho de 1858 na Barca Gundela, cujos trechos publicamos a seguir:

” ...O navio Gundela transportava 277 passageiros. A comida era boa. Arroz, feijão, alguns dias mesa livre de carnes defumadas, que naturalmente, no princípio é um prazer. De manhã café, à tarde sopa ou chá, mas a água era muito ruim. Nos atormentavam as pulgas e assim também o aumento da temperatura e de repente um frio de 09 graus. O calor era de 29 graus à sombra e o enjôo atingia a quase todos. Eu fiquei enjoada por três semanas e a maioria das crianças de um a doze anos também. ...”

“... No dia 25 de julho chegamos ao Porto do Rio de Janeiro. Não pudemos descer na cidade. No dia 27, fomos levados até uma outra parte do Porto. Daí embarcamos em um trem no qual viajamos por meia hora. Logo depois, começamos a caminhada para o interior, durante a qual as mulheres, crianças e bagagens viajaram transportados em carroças e nós homens andando à pé. Subimos ao cimo de uma montanha onde nos foi ofertado uma boa refeição e bebemos um bom vinho . Lá pela tarde, chegamos cantando à cidade de Petrópolis. Ali os imigrantes, que são na maioria alemães, franceses, ingleses e portugueses, nos acolheram com grande amizade.   .....”

     Chama a atenção do leitor o final da carta, cujo texto é o seguinte:
“... Caro amigo, o aspecto aqui é ainda selvagem, mas, em 03 ou 04 anos estará melhor. A estrada do Rio de Janeiro até aqui já está carroçável, mas os carros, vemos poucos, no mais, são animais de carga.Gente com saúde e trabalhadora podem fazer bons progressos em pouco tempo no Brasil. ...”
Num pequeno comentário sobre esta carta podemos perceber uma mensagem de otimismo, apesar das dificuldades encontradas. Pela descrição pode-se notar um bom tratamento dado aos imigrantes. Há também a confirmação do encontro das comunidades de alemães de Juiz de Fora e Petrópolis, que chegaram em 1845. Os jornais da cidade de Petrópolis da época  noticiaram encontros entre as duas comunidades. Sobre a viagem de trem citada na carta, esta estrada de ferro foi a primeira inaugurada no Brasil e ligava o Porto de Mauá (onde desceram os colonos) até Fragoso (Vila Inhomirim-Raiz da Serra), no município de Magé-RJ. A inauguração desta estrada aconteceu no dia 30 de abril de 1854, construída pelo Barão de Mauá (Irineu Evangelista de Sousa). Podemos dizer sem medo de errar que esses nossos imigrantes fizeram história neste País.

Instalados na cidade, muitos foram trabalhar nas oficinas da Companhia União e Indústria e, a partir de 1860, foram aos poucos se diversificando em várias atividades, participando ativamente do processo de industrialização de Juiz de Fora. Este processo inicia-se em 1860 com o surgimento da Cervejaria Barbante, que até hoje existe no Bairro São Pedro, várias outras cervejarias foram implantadas na cidade, destaque para o surgimento do primeiro curtume industrial do Brasil, Curtume Krambeck, das fábricas de carroças, da primeira iluminação pública da cidade, fábricas de caramelos, tipografias e outras. Juntando-se a outras etnias nossos antepassados contribuíram de forma essencial para a transformação da cidade no principal parque industrial de Minas na segunda metade do século XIX e primeira metade do século XX.

São esses bravos homens, mulheres e crianças que souberam enfrentar toda a sorte de dificuldades e, vencendo os enormes desafios, souberam fazer história e nos encher de orgulho, que homenageamos neste pequeno texto.

*Nilo Sérgio Frank é Relações Públicas da Associação Cultural e Recreativa Brasil Alemanha de Juiz de Fora
Contato: nfranck@uol.com.br

 

 



Comentários

deslogado
fgh 23/03/2017, às 00:35

Under normal circumstances, in order to show the rolex uk dignity of the identity and modesty of the ceremony, the men will be put on formal occasions to attend a formal dress, but also with a formal breitling replica watches, appears to be more polite. replica rolex watches have long always gives people a kind of heavy feeling of strength, and most are steel watch, so when wearing a dress of many fans will not choose Rolex, the reason is not elegant decent, wild. But the new Rolex Cellini series make up for this defect, presented in front of replica watches uk us is a pure and yet elegant dress watch.

deslogado
Andre eveling de miranda 05/02/2016, às 22:33

Meu nome é André Eveling de miranda e a família de mimha mãe é de colonos alemães de sobrenome Eveling de origem de Hessen Alemanha tenho grupoa familiares em Munster e gostaria de saber porque que este sobrenome nao consta em liatas oficiais da história de juiz de fora obrigado

deslogado
Arnaldo Mauler 22/05/2015, às 11:44

Olá Nilo, meu nome é Arnaldo Mauler, sou morador de Juiz de Fora. Fiquei sabendo por alguns parentes que meu avô José Mauler e alguns primos vieram da Alemanha e se instalaram principalmente em Juiz de Fora. Você teria algum registro de algum membro da família Mauler vindo da Alemanha? Meu filho quer tirar cidadania alemã e estou pesquisando sobre meu avô. Agradeço desde já se conseguires alguma informação Atenciosamente Arnaldo Mauler Cel. 8809-0500

deslogado
QJPAKUlV 29/01/2014, às 00:59

Ole1!Participem no passatempo www.proximajornada.comEm que podes apoatsr (Gratis) no resultado de 5 jogos da liga sagres (ou tae7a). Quem ganhar recebe 100 Euros em vale Postal.Participa... Ne3o tem qualquer custo, e ocupa-te apenas 1 minuto por semana... http://mcyohidyby.com [url=http://lqonpwnnmek.com]lqonpwnnmek[/url] [link=http://ozpowkrmvft.com]ozpowkrmvft[/link]

deslogado
J22Z7QPORKk 11/01/2014, às 05:43

Boa noite,Quisiera saber que tipo de transporte me peeudn ofrecer para transporte de 9 personas desde el Aeropuerto de Santo Domingo al hotel Riu en Pta Cana, Cual es el valor del servicio y a que numero de telefono me puedo comunicar?? Obrigado

deslogado
nqQCq1xeS 09/01/2014, às 20:32

Buenos dedas Sr Escobar El transporte que le puedo ocferer es el privado o taxi.El costo para cada uno de los traslados es de para este grupo de 9 pessoas e9 250 us df3lares.1- traslado aeropuerto de santo domingo riu punta cana ida 250 us df3lares2- traslado riu punta cana aeropuerto de santo domingo retorno 250 us df3laresCada transfereancia dura 3 horas 200 kms aproximadamente.Para tele9fonos y formulario para reservar el transporte al inicio de esta PaginaObrigado pela consulta


  • brasilalemanha
  • brasilalemanha
  • brasilalemanha
  • brasilalemanha
Logomarca oficial da imigração alemã no Brasil. Reprodução liberada e recomendada, para uso não comercial.
Para uso comercial e originais em alta resolução: contato@brasilalemanha.com.br.

© 2004-2018 BrasilAlemanha - O portal oficial da imigração alemã no Brasil - Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Sapiência Tecnologia