Colunistas

04/03/2017

Marco da imigração alemã é tombado em Juiz de Fora, MG

onumento foi erguido em 1958 para marcar o centenário da imigração alemã na cidade.

Saiba mais >



Comentários

deslogado
VICENTE DE PAULO CLEMENTE 07/03/2017, às 12:01

-continuação - nço, atingiu o Marco de Pedra e lançando-o ao chão, mas, parando o veículo. Diz-se que, causador da morte de uma criança. em tempos idos, o nosso Marco de Pedra negra, comemorativo do Centenário da Imigração Alemã em Juiz de Fora, compensou aquela fatalidade de então, salvando a vida de três crianças, que uniformizadas passavam pelo local em direção ao Colégio Estadual, para estudar. Pressentindo o perigo, nosso Marco se postou à frente do bólide e parou o veículo com seu corpo, visto que passando por ele, fatalmente atingiria as crianças, causando certamente a morte delas. Haveria então uma "compensação mórbida" pelo crime da Praça Agassiz... Após esse acontecimento, o mesmo JOSÉ MAURO KREPPE, conseguiu junto à Prefeitura, que se fizesse um furo com uma potente broca, na base do marco, até ao meio e novamente levantado pelo MUNCK, foi fixado sobre uma haste de ferro fortemente presa na pedra da base , afastando novos acidentes como aquele. É o que tenho a acre

deslogado
VICENTE DE PAULO CLEMENTE 07/03/2017, às 11:50

Acrescentaria ainda, que após o acidente na Praça Agassiz, o Marco de Pedra foi julgado e condenado ao degredo, lá nas matas do Poço Dantas e lá permaneceu por muitos anos. Por ocasião da Festa Alemã, numa reunião de preparativos, no salão da Igreja de São Vicente de Paulo, na Borboleta, foi sugerido pelo Jornalista e um dos fundadores do Centro Folclórico Teuto-Brasileiro, Miguel Ribeiro Gomide, recentemente falecido, que nós, descendentes de alemães deveríamos tentar resgatar o Marco, abandonado e trazê-lo para nosso convívio. Este que vos escreve, com a ajuda prestimosa do então Vereador JOSÉ MAURO KREPPE, conseguimos vencer a burocracia Municipal, que dizia ser o Marco, prova de um crime e que não poderia ser erguido em Praça Pública, jamais. Resgatado e instalado na Praça do Imigrante Alemão, (de tão pesado foi utilizado um MUNCK) em 1990. Curioso e interessante é o que aconteceu anos depois. Um veículo em alta velocidade, descendo o "Caminho da Mindoca", atual Rua José Loure

deslogado
VICENTE DE PAULO CLEMENTE 07/03/2017, às 11:49

Acrescentaria ainda, que após o acidente na Praça Agassiz, o Marco de Pedra foi julgado e condenado ao degredo, lá nas matas do Poço Dantas e lá permaneceu por muitos anos. Por ocasião da Festa Alemã, numa reunião de preparativos, no salão da Igreja de São Vicente de Paulo, na Borboleta, foi sugerido pelo Jornalista e um dos fundadores do Centro Folclórico Teuto-Brasileiro, Miguel Ribeiro Gomide, recentemente falecido, que nós, descendentes de alemães deveríamos tentar resgatar o Marco, abandonado e trazê-lo para nosso convívio. Este que vos escreve, com a ajuda prestimosa do então Vereador JOSÉ MAURO KREPPE, conseguimos vencer a burocracia Municipal, que dizia ser o Marco, prova de um crime e que não poderia ser erguido em Praça Pública, jamais. Resgatado e instalado na Praça do Imigrante Alemão, (de tão pesado foi utilizado um MUNCK) em 1990. Curioso e interessante é o que aconteceu anos depois. Um veículo em alta velocidade, descendo o "Caminho da Mindoca", atual Rua José Loure


  • brasilalemanha
  • brasilalemanha
  • brasilalemanha
  • brasilalemanha
Logomarca oficial da imigração alemã no Brasil. Reprodução liberada e recomendada, para uso não comercial.
Para uso comercial e originais em alta resolução: contato@brasilalemanha.com.br.

© 2004-2019 BrasilAlemanha - O portal oficial da imigração alemã no Brasil - Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Sapiência Tecnologia

Publicidade