Colunistas

03/07/2014

Lei da palmada, por Cinara Vianna Dutra Braga*

Promotora de Justiça da Infância e Juventude de Porto Alegre (RS)

Conhecido como “Lei Bernardo”, em alusão à morte de Bernardo Boldrini, o PL da Câmara 58/14, aprovado no Senado no dia 4 de junho, foi sancionado pela presidente da República na sexta-feira, 27. O PL altera a Lei 8.069/90 (ECA), estabelecendo o direito da criança e do adolescente de serem educados sem castigos físicos ou tratamento cruel ou degradante. Seu teor repercute.

Os contrários ao PL argumentam tratar-se de “lei marqueteira” e mais uma forma de o Estado interferir na família. Discordo.

Segundo a Vigilância Sanitária, 73% das violências contra crianças e adolescentes ocorrem no ambiente familiar, sendo 44% delas de repetição. Em 2013, foram atendidas no Hospital Presidente Vargas/CRAI em torno de 1.890 crianças e adolescentes vítimas de violência. Na Capital, cerca de 1,8 mil crianças e adolescentes estão acolhidos institucionalmente, a maior parte vítimas de violência sexual, física, psicológica ou negligência dos responsáveis.

Esta triste realidade legitima a “Lei da Palmada”, a qual não tem natureza criminal, mas de lei civil pedagógica, que modifica a cultura de que se tem o direito de disciplinar o filho mediante o uso da força física, olvidando que a criança e o adolescente são sujeitos de direito, amparados, inclusive, pela Constituição Federal.

Desta forma, temos que a importância da Lei da Palmada para os profissionais que lidam com os direitos das crianças e adolescentes é a de propiciar o debate e a união de todos, com ênfase à promoção de políticas públicas na garantia de proteção integral aos seus tutelados, inclusive no modo de educar. Necessário, portanto, o comprometimento dos cidadãos na fiscalização e efetivação dos direitos das crianças e adolescentes de crescerem protegidos da violência, denunciando ao Ministério Público, Conselhos Tutelares, Disque 100 e ao Deca. Imprescindível a imposição de limites para que as crianças e adolescentes cresçam íntegras, mediante orientação, diálogo e contenção. O “não” tem de ser dito, mas com amor e respeito, jamais com violência. O “não” tem de ser dito, mas com amor e respeito, jamais com violência

Fonte: ZH, 30 de junho de 2014 | N° 17845Alerta



Comentários

deslogado
annlike 13/07/2017, às 05:34

Acier inoxydable 316L est en acier inoxydable, bonne texture, résistance à la corrosion, la densité proche de fer, n'affectent généralement replique montre pas la peau humaine. Montres suisses sont généralement faits de ce cas matériel, couronne et bracelet. replique montre L'acier inoxydable 904L est super résistant à la chaleur alliage d'acier inoxydable, jusqu'à 21% de suffisamment teneur en alliage de chrome, résistance à la corrosion pour être comparable avec des matériaux de métaux précieux. en 1988, Rolex a pris les devants dans l'introduction de l'acier inoxydable 904L dans le domaine de l'horlogerie, et jusqu'à présent, Replique Audemars Piguet la seule entreprise l'industrie pour appliquer ce matériau largement et systématiquement à l'autre, la couronne et montre la fabrication. procédé de fabrication de l'acier inoxydable 904L est très d

deslogado
claudia 02/04/2015, às 19:54

preciso muito falar com essa promotora , tenho uma sobrinha que foi levada para um abrigo aqui de porto alegre,motivo minha irma era usuaria de drogas,infelismente ela faleceuquero criar a filha dela por favor me ajudem.

deslogado

preciso muito falar com essa promotora , tenho uma sobrinha que foi levada para um abrigo aqui de porto alegre,motivo minha irma era usuaria de drogas,infelismente ela faleceuquero criar a filha dela por favor me ajudem.


  • brasilalemanha
  • brasilalemanha
  • brasilalemanha
  • brasilalemanha
Logomarca oficial da imigração alemã no Brasil. Reprodução liberada e recomendada, para uso não comercial.
Para uso comercial e originais em alta resolução: contato@brasilalemanha.com.br.

© 2004-2019 BrasilAlemanha - O portal oficial da imigração alemã no Brasil - Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Sapiência Tecnologia

Publicidade