Colunistas

04/08/2019

Como funciona a adaptação em um colégio bilíngue?

Coordenadora do projeto de bilinguismo do Colégio Humboldt explica como funciona o primeiro contato das crianças com um idioma diferente.

O primeiro contato com a escola sempre causa um estranhamento para as crianças. Em um colégio bilíngue a situação não é muito diferente, uma vez que, além de se depararem com um ambiente novo, os pequenos ainda terão de lidar com um idioma desconhecido. Apesar do aprendizado em duas línguas causar preocupação aos pais, especialistas da área afirmam que o ensino bilíngue, principalmente quando iniciado na primeira infância, só traz benefícios às crianças.

Segundo Rebeca Boldrin, coordenadora do projeto BiLi do Colégio Humboldt – instituição bilíngue e multicultural (português/alemão), localizada em Interlagos (SP) – quanto mais cedo o aluno for exposto a um segundo idioma, maior será a chance de adquirir fluência e, posteriormente, de aprender outras línguas. “Nas crianças de até cinco anos, o desenvolvimento linguístico está em plena formação, independentemente da língua com a qual tenha mais contato”, afirma Rebeca. “Quanto mais cedo for o contato com outro idioma, mais natural será este processo, pois ele passa a ser quase que intuitivo, uma vez que está sendo adquirido e não aprendido formalmente”, completa.

A adaptação

No Brasil ainda não existe legislação específica para as escolas bilíngues, ou seja, aqui os colégios têm liberdade para organizar o currículo, desde que cumpram com as exigências da Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB). Por isso, antes de colocar o filho em uma escola bilíngue, é necessário que os pais pesquisem qual método de ensino mais se encaixa nos ideais da família e com as particularidades de cada criança.

Além disso, é preciso que os responsáveis fiquem atentos à adaptação infantil feita pelo colégio e as possíveis dificuldades que a criança pode apresentar. Para Rebeca Boldrin, é essencial que esse primeiro contato seja dado com naturalidade, buscando construir um vínculo afetivo com os pequenos. “No primeiro dia de aula temos como foco acolher os alunos, criar um vínculo positivo e de confiança. Isso se dá ao recebermos os alunos com alegria, sorrindo, demonstrando interesse, brincando junto com eles e estando perto, para que saibam que estamos aqui para ajudá-los no que for preciso”, comenta.

A coordenadora ainda ressalta a necessidade de planejar atividades divertidas e diferentes durante o período de adaptação para que a criança crie familiaridade com o idioma. “Nas primeiras semanas de aula, orientamos a equipe de professores a planejar atividades, jogos, brincadeiras, culinárias e artesanatos que possam encantar as crianças, como a massinha caseira, gelatina, bolinha de sabão e, dentro do possível, algo que possam levar para casa”, diz Rebeca. Ela ainda acrescenta: “acreditamos que com esta postura positiva e agradável, a língua deixa de ser uma barreira e passa a fazer parte do cotidiano e se torna algo natural”.

A imersão em outra cultura

A imersão de uma criança em uma cultura diferente é processo delicado, principalmente quando ela não possui nenhum outro vínculo com a mesma a ser ensinada. Sendo assim, é essencial que os responsáveis escolham um colégio de confiança, uma vez que ele que será a referência de determinado idioma para os pequenos. “A maioria de nossos alunos aprende alemão conosco, ou seja, nós somos as referências deste idioma e cultura para eles, ou seja, ao chegar ao Colégio, irão entrar nesta realidade alemã e ter de fato um contato mais frequente com esta língua”, comenta Rebeca Boldrin.

Para a coordenadora do projeto, a comunicação no segundo idioma traz um desafio a mais, tanto para alunos, quanto para educadores. “Dentro do Bili, a professora de referência em língua alemã se comunica com os alunos em alemão apenas, então é um cuidado a mais que precisamos ter, pois não teremos a língua principal como ferramenta de comunicação, então é necessário estar preparada para usar outras estratégias”, afirma.

Por fim, colocar o filho em um colégio bilíngue exige um acompanhamento constante e um reforço fora do horário de aulas por parte dos pais para que, de fato, o aprendizado do segundo idioma seja efetivo. “Nós organizamos uma reunião com pais, dias antes do início das aulas, na qual explicamos como será o funcionamento prático do Bili, onde uma professora se comunica em português e outra em alemão e pedimos aos pais que reforcem isso em casa com as crianças”, finaliza Rebeca.

 Sobre o Colégio Humboldt

Mantido pela Sociedade Escolar Barão do Rio Branco, o Colégio Humboldt está instalado em uma área de 60 mil metros quadrados e hoje atende a aproximadamente 1.100 alunos, desde o Maternal até o Ensino Médio. A instituição - referência quando o assunto é ensino de qualidade - oferece ensino bilíngue (português/alemão) e multicultural e dois currículos de formação: um brasileiro e outro alemão. Também conta com o Abitur, para os alunos que desejam ingressar em universidades alemãs, e com a Humboldt Formação Profissional Dual, que oferece cursos técnicos e tecnólogo em gestão.

 

Fonte – Colégio Humboldt

COMMUNICA BRASIL

PABX: (11) 3868-0300

Marcela Martinez marcela@communicabrasil.com.br

Andrea Funk – andrea@communicabrasil.com.br 

www.communicabrasil.com.br

+




Comentários

Participe! Aqui sua opinião vale muito.


  • brasilalemanha
  • brasilalemanha
  • brasilalemanha
  • brasilalemanha
Logomarca oficial da imigração alemã no Brasil. Reprodução liberada e recomendada, para uso não comercial.
Para uso comercial e originais em alta resolução: contato@brasilalemanha.com.br.

© 2004-2019 BrasilAlemanha - O portal oficial da imigração alemã no Brasil - Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Sapiência Tecnologia