Colunistas

18/06/2017

Artistas criam diálogo musical e cênico com primeiros filmes feministas da história

Acontece de 23 a 25 de junho, no Sesc Pompeia, o experimento cênico-cinematográfico  “Sessão muda, mas não calada”, dirigido pelo Coletivo Vermelha, com a participação das artistas Denise Assunção, Karina Buhr, Georgette Fadel e Roberta Estrela D´Alva.

Nesta edição serão exibidos os dois primeiros filmes feministas da história: Os resultados do Feminismo (França, 1906), de Alice Guy Blaché, e A Sorridente Madame Beudet (França, 1923), de Germaine Dulac, sem som, onde as artistas criarão especialmente para o projeto intervenções cênicas e uma sonoplastia em diálogo com as imagens projetadas, buscando enfatizar a atualidade das discussões sobre gênero presentes nos filmes.

O evento, que integra a programação do Projeto Cinema Falado, propõe uma reflexão sobre a voz no cinema e fomenta diálogos entre diversas linguagens artísticas.

Segue o release + fotos de divulgação. O que acha da pauta? Conseguimos colocar uma nota/ matéria?

Precisando de mais informação, entrevistas, é só avisar!

obrigada. abs.

Eliz Sousa

ATTi Comunicação Av.Brig.Faria Lima, 1616 sl.612 11.3729-1455 / 99110 - 2442 eliz@atticomunicacao.com.br  

ARTISTAS CRIAM DIÁLOGO MUSICAL E CÊNICO COM PRIMEIROS FILMES FEMINISTAS DA HISTÓRIA


Com direção do Coletivo Vermelha, o experimento cênico “Sessão muda, mas não calada” integra a programação do Projeto Cinema Falado

 

* De 23 a 25 de Junho, no Sesc Pompeia

Denise Assunção, Karina Buhr, Georgette Fadel e Roberta Estrela D´Alva são as artistas convidadas do experimento cênico-cinematográfico dirigido pelo Coletivo Vermelha. Serão exibidos dois dos primeiros filmes feministas da história: Os resultados do Feminismo (França, 1906), de Alice Guy Blaché, e A Sorridente Madame Beudet (França, 1923), de Germaine Dulac. O espetáculo “Sessão muda, mas não calada” integra a programação da quarta edição do Projeto Cinema Falado e acontece nos dias 23, 24 de junho, às 21 horas, e no dia 25 de junho, às 18 horas, no Sesc Pompeia.

A francesa Alice Guy Blaché é uma das pioneiras do cinema, considerada a primeira mulher diretora e roteirista, além de autora do primeiro filme de ficção e do primeiro filme com atores negros. Entretanto, apenas recentemente sua memória começou a ser recuperada. O curta-metragem “Os resultados do Feminismo” retrata de forma irônica uma sociedade na qual o papel dos homens e das mulheres é invertido. Sob direção de Germaine Dulac, cineasta também de origem francesa e considerada uma das principais feministas radicais de seu tempo, o média-metragem “A Sorridente Madame Beudet” narra o cotidiano de uma dona de casa presa a um casamento sem amor que tenta livrar-se de um marido violento para poder se libertar das convenções sociais.

Enquanto os filmes são exibidos na tela, sem som, as artistas Denise Assunção, Karina Buhr, Georgette Fadel e Roberta Estrela D´Alva criam intervenções cênicas e uma sonoplastia em diálogo com as imagens projetadas, buscando enfatizar a atualidade das discussões sobre gênero presentes nos filmes. A performance, criada especialmente para o projeto Cinema Falado, conta com a direção criativa do Coletivo Vermelha, composto por diretoras, roteiristas e montadoras de São Paulo. “Existimos como coletivo desde 2014, mas nossas ações sempre foram relacionadas ao debate sobre a presença e a representação da mulher no audiovisual. É a primeira vez que nos juntamos para uma criação coletiva, a convite do Sesc, e estamos adorando", afirma a roteirista Iana Paro, integrante do Coletivo. 

O experimento cênico “Sessão muda, mas não calada” faz parte do projeto Cinema Falado do Sesc, que propõe uma reflexão sobre a voz no cinema e fomenta diálogos entre diversas linguagens artísticas. Realizado desde junho de 2016, o projeto já discutiu, ao longo de três edições anteriores, questões cinematográficas, como a atuação, a relação com a literatura e também a aproximação com a música. A quarta edição se debruça sobre a potencialidade política da voz do cinema e as relações entre  filme e gênero, sua programação conta ainda com o mini-curso “Entre o Som e a Imagem, a performatividade dos gêneros (humano e cinematográfico) produzido por mulheres durante a década de 70”, ministrado pela pesquisadora da Unicamp Karla Bessa, e com o bate-papo “Olhar e Voz das Mulheres no Cinema”, que reunirá o Coletivo Vermelha e as cineastas Adélia Sampaio e Vera Egito, com mediação de Luísa Pécora, jornalista e criadora do portal Mulher no Cinema.

Serviço 

“Sessão muda, mas não calada”

Data: De 23 a 25 de junho de 2017.

Horário: Sexta e sábado às 21h, e domingos às 18h.

Local: Teatro do Sesc Pompeia. Capacidade: 302.

Endereço: R. Clélia, 93 - Pompeia, São Paulo – SP.

Tel: (11) 3871-7700

Valor dos ingressos: R$ 30 | R$ 15,00 | R$ 9,00

Venda limitada a 6 ingressos por pessoa.

 

Ficha Técnica

Direção dos Filmes: Alice Guy Blaché e Germaine Dulac.

Com: Denise Assunção, Karina Buhr, Georgette Fadel e Roberta Estrela D'Alva.

Direção do experimento cênico: Coletivo Vermelha - Caru Alves de Souza, Iana Cossoy Paro, Lillah Halla e Manoela Zigiatti.

Consultoria Cênica: Georgette Fadel.

Direção Musical: Karina Buhr.

Produção: Lara Lima | Lira Cinematográfica

 

Coletivo Vermelha

Coletivo de diretoras, roteiristas e montadoras formado por Manoela Ziggiatti, Lillah Halla, Caru Alves de Souza, Iana Cossoy Paro e Moara Passoni. Criado em São Paulo, em 2014, o coletivo se reúne periodicamente com a intenção de estudar e entender qual espaço as mulheres ocupam no meio audiovisual, tanto nos seus processos de produção e funções, como na forma em que a mulher é representada.Desde sua criação realizaram diversas ações nesse sentido, como o seminário “Quem tem medo das mulheres no audiovisual?” (no MIS São Paulo e Campinas), no início de 2016. No mesmo ano, organizaram a primeira palestra no Brasil da sueca Ellen Teyle (criadora do selo Bechdel) e criaram, no Festival Kinoforum, o Prêmio Vermelha - Spcine para um curta-metragem dirigido por mulher e que apresentasse uma narrativa e uma personagem mulher, desafiando padrões estereotipados de gênero. Este ano realizaram a mostra “Curta as Minas”, no Sesc Campo Limpo.


Mais informação:

Site: www.coletivovermelha.com.br

Facebook: www.facebook.com/coletivovermelha

Instagram: www.instagram.com/coletivovermelha

Twitter: www.twitter.com/colevermelha

 

Alice Guy Blaché (1873-1968)

Considerada uma das pioneiras do cinema e a primeira cineasta a produzir um filme de ficção, estima-se que Alice Guy Blaché tenha dirigido mais de mil filmes em duas décadas de carreira. Foi ainda pioneira no uso de sincronização de som e imagem e de efeitos especiais, e uma das primeiras mulheres a administrar um estúdio próprio. Apesar do pioneirismo, a obra de Blaché permaneceu invisibilizada na história do cinema. Apenas recentemente ela recebeu homenagens póstumas, como a criação do prêmio "Alice Award", em 2008, pela comissão de cinema de Fort Lee.

 

Germaine Dulac (1882-1942)

Uma das principais feministas radicais de seu tempo e editora de La Française, o órgão do movimento sufragista francês, Germaine Dulac foi uma figura de destaque no movimento impressionista cinematográfico francês. Sua obra foi marcada pela condenação dos valores burgueses e sexistas da classe média da qual fez parte. O casamento burguês, o homem ausente e as tentativas masculinas de suicídio no pós-guerra são alguns dos símbolos recorrentes em seu trabalho. Já em um período posterior, demonstra preocupação de representar personagens femininas progressistas.



Entre o Som e a Imagem, a performatividade dos gêneros (humano e cinematográfico) no cinema produzido por mulheres durante a década de 70

Mini-curso ministrado por Karla Bessa

 

O caráter performativo da construção do gênero e da sexualidade (feminino/masculino) é um pressuposto que mudou o rumo dos debates feministas desde início da década de 1990. Neste mini-curso, a performatividade de gênero será abordada à luz de teorias feministas contemporâneas, com foco direcionado para o diálogo entre imagem e som.  O estudo será conduzido a partir de filmes dirigidos (e alguns concebidos e escritos) por mulheres realizadoras/diretoras, que desenvolveram uma perspectiva crítica da estética clássica e/ou moderna hollywoodianas e tentaram, a partir de suas experimentações narrativas, compor outros modos de mirar e dizer das relações entre feminilidade/masculinidade  no âmbito da linguagem cinematográfica.

 

Os filmes que serão analisados no decorrer do mini-curso são Mar de Rosas (Ana Carolina, Brasil, 1978); ¿Y su mamá qué hace? (filme produzido coletivamente pelo Cine Mujer, Colombia, 1980); Guerillere Talks  (Vivienne Dick, EUA,1978) e  De Cierta Manera (Sara Gomez, Cuba, 1974).

 

Karla Bessa é pesquisadora do Núcleo de Estudos de Gênero PAGU/UNICAMP,  Professora do Doutorado em Ciências Sociais/Unicamp, coordenadora do Projeto CinePagu. Autora de vários artigos com foco na leitura crítica do cinema sob uma ótica feminista, é uma das curadoras do Curta o Gênero de Fortaleza, foi curadora convidada do Programa Africa.Cont & Queer Lisboa em 2016.

 

05 a 07/07, quarta a sexta, das 19h às 22h

Oficinas de Criatividade

10 vagas

Credencial Plena - Inscrição a partir de 07/06 às 19h na Central de Atendimento

Demais categorias e público em geral - Inscrição a partir de 08/06 às 19h na Central de Atendimento

R$ 25,00 | R$ 12,50 | R$ 7,50

18 anos

 

Olhar e Voz das Mulheres no Cinema

Com Coletivo Vermelha, Adélia Sampaio, Vera Egito e mediação de Luísa Pécora

 

Bate papo sobre a presença das mulheres no cinema brasileiro, tanto em seus processos de produção e relações de trabalho, quanto na representação das mulheres nos filmes.

 

Coletivo Vermelha é um grupo de diretoras e roteiristas criado em São Paulo, em 2014, cujo objetivo é compreender qual o espaço ocupado pelas mulheres no meio audiovisual.

Adélia Sampaio é a primeira cineasta negra a dirigir um longa-metragem no Brasil, o filme Amor Maldito (1984). Dirigiu curtas-metragens e AI-5 - O dia que não existiu (2001), com Paulo Mark. Vera Egito é diretora dos premiados curtas-metragens Elo e Espalhadas pelo ar, e em 2016 lançou seu primeiro longa, Amores Urbanos.

 

22/06, quinta-feira às 20h30

Local: Teatro do Sesc Pompeia. Capacidade: 302.

Grátis. Distribuição de ingressos à partir das 19h30 na Bilheteria


 --
ATTi Comunicação e Ideias
Eliz  Ferreira
11.3729-1455 / 3729-1456 / 99110 2442
eliz@atticomunicacao.com.br/ atticomunicacao@gmail.com



Comentários

deslogado
www.icloud.com 20/07/2017, às 01:51

www.icloud.com

deslogado
share it 08/07/2017, às 02:36

It takes much time to transfer bigger files and makes your battery down because of switching on the mobile continuously share it

deslogado
Jesica 24/06/2017, às 04:50

Karla Bessa is a scientist at the Gender Studies Center PAGU/UNICAMP, PhD Professor in Social Sciences/Unicamp, facilitator of the CinePagu Project. Buy Essay Writer of a few articles concentrating on basic perusing of the silver screen from a women's activist perspective, she is one of the custodians of the Curta o Fortaleza kind, was welcomed guardian of the Africa.Cont and Queer Lisboa Program in 2016.

deslogado
icloud photos 24/06/2017, às 04:10

If you are an existing Apple user, then you know the importance of icloud photos

deslogado
S 24/06/2017, às 00:38

In terms of lengthening, the formula is similar to christian louboutin outlet uk Benefit They're Real! (another favorite of mine). I swipe on either of these mascaras and it looks like I put on a pair of false cheap christian louboutin lash strips. The difference is that Les Yeux Noirs is wetter and shinier, giving your lashes an almost christian louboutin for sale vinyl effect. It's also more volumizing,

deslogado
digital piano reviews 23/06/2017, às 03:13

Sometimes a real piano just won't work. You might be a cost-conscious parent, wary of snapping up a pricey Steinway for a kid more interested piano reviews

deslogado
piano reviews 23/06/2017, às 03:11

Sometimes a real piano just won't work. You might be a cost-conscious parent, wary of snapping up a pricey Steinway for a kid more interested


  • brasilalemanha
  • brasilalemanha
  • brasilalemanha
  • brasilalemanha
Logomarca oficial da imigração alemã no Brasil. Reprodução liberada e recomendada, para uso não comercial.
Para uso comercial e originais em alta resolução: contato@brasilalemanha.com.br.

© 2004-2019 BrasilAlemanha - O portal oficial da imigração alemã no Brasil - Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Sapiência Tecnologia

Publicidade