Os pomeranos depois da década de 1950 - por Ivan Seibel*

Somente por volta de 1950, a assimilação da língua portuguesa passou a favorecer a convivência mais próxima entre os pomeranos e os imigrantes italianos e a própria população luso-brasileira.

Com isto também se iniciou um lento processo de urbanização de alguns descendentes destes imigrantes.  O alemão, o pomerano, o hunsrück, o holandês, o italiano, todos tinham sido considerados “nazistas”. Foram perseguidos, aterrorizados, ridicularizados; enfim, começavam a sentir vergonha de serem o que eram.

Na realidade a aculturação brasileira deste “colono”, inicialmente totalmente isolado no seu sítio, somente aconteceu quando efetivamente foram abertas mais estradas, possibilitando a lenta substituição da própria agricultura de subsistência por outras formas de culturas já mais rentáveis.

Em última análise, uma efetiva assimilação da língua portuguesa e dos hábitos e costumes brasileiros somente chegaram com o surgimento do rádio e da televisão e da abertura de estradas e a viabilização da telefonia no meio rural.              

 
*Ivan Seibel, Reg. Prof. Mtb 14.557, natural do Espírito Santo, é médico em Venâncio Aires, RS, escritor (“Imigrantes a duras penas”, entre outros), comentarista do programa radiofônico semanal AHAI – A Hora Alemã Intercomunitária > bl 03, colunista www.brasilalemanha.com.br e editor de Folha Pomerana Express >
Acessse o Informativo > https://folhapomeranaexpress.blogspot.com.br/